Comprovado: cachorros ajudam na paquera!

_DSC0750uuuuu

É mais fácil conseguir ajuda, conversar com outras pessoas e até obter telefone quando estamos acompanhados por um cão, conforme demonstrou um estudo publicado em dezembro de 2008 na renomada revista científica Anthrozoos.

Para testar a hipótese de que os cães funcionam como facilitadores sociais, foram feitos quatro experimentos, todos eles com e sem cão. No primeiro, um homem pediu dinheiro na rua. No segundo, uma mulher fez a mesma coisa. No terceiro, um homem deixou cair propositadamente moedas no chão para ver se as pessoas o ajudavam a recolhê-las. No quarto, um teste idêntico foi feito por uma mulher. Por último, um homem pediu o telefone de mulheres jovens na rua. Em todos os experimentos, constatou-se que os cães ajudaram as pessoas a atingirem seus objetivos.

Continue lendo

Anúncios

Sorteio Bullblog e PetManiacs.

21

Bulldogueiros esta rolando um sorteio la na fanpage do Bullblog , para participar basta curtir o Bullblog, aqui e PetManiacs, clicando aqui!

Não esqueça de clicar em QUERO PARTICIPAR!

Cruze os dedos pois p sorteio é dia 23-12-2014!

 

Bullbeijos!

O cão idoso.

Reserva do Rei Força Bruta - Hugo

Reserva do Rei Força Bruta – Hugo

Se você tiver um cão idoso, esta matéria o ajudará a entender suas necessidades especiais, para que permaneça saudável durante sua velhice.

Cães idosos tem necessidades especiais. Seus corpos estão começando a ficar mais lentos e o desgaste da vida começa a aparecer. A vida de cães pode variar muito, dependendo da raça, embora outros fatores também influam. Um bom início na vida “com cuidados e nutrição corretos enquanto o animal ainda é um jovem adulto” terá bons resultados quando chegar à velhice.

Estando com seu animal todos os dias, pode ser que não perceba a idade chegando. Com um pouco de cuidado extra, você fará com que seu cão viva confortavelmente e com visitas regulares ao veterinário, ele pode viver relativamente saudável até próximo do fim. Quando estiver com cerca de 8 ou 9 anos, é provável que comece a envelhecer. Raças gigantes podem ser consideradas velhas quando chegarem a cerca de 8 anos, enquanto cães sem raça definida podem viver até 15 anos ou mais.

>Reduzindo a velocidade
Enquanto o corpo envelhece, os órgãos vitais de seu cão também começam a deteriorar. Pode ser que ele fique menos ativo, necessitando de menos calorias e seus órgãos podem funcionar menos eficientemente. Já que seu corpo está ficando mais lento, pode não conseguir lidar tão rapidamente com doenças ou stress, então tente mantê-los a um mí­nimo possí­vel.

Você necessitará de paciência para lidar com seu cão mais velho já que ele ficará mais lento. Pode ser que ele não o veja ou o ouça tão be, mas quando ele não responde não quer dizer que está tentando ignorar. Ele precisará de mais ajuda e companhia agora. Seja paciente, ele merece!

>Dando conforto a seu cão idoso
Já que seu cão está menos móvel nesta fase de sua vida, irá passar mais tempo deitado em um lugar. Não permita que fique deitado em um local úmido e frio ou no sol quente por muito tempo. Mantenha sua cama em um local quente, livre de ventania e garanta que esteja bem acolchoada. Se o animal passar muito tempo deitado em uma superfì­cie dura ou áspera, especialmente no caso de cães de raças mais pesadas, pode desenvolver calos na pele em cima de ossos salientes em seu corpo. Estes calos podem ficar ulcerados e infeccionados, então é necessário providenciar bastante acolchoamento.

Deixe sua cama facilmente acessí­vel. Se tiver dificuldade subindo escadas, coloque um portão para evitar acidentes. Não se esqueça de que os sentidos de seu cão estão começando a falhar, e sua visão, audição e senso de direção podem não estar tão bons quanto eram. Isso quer dizer que pode ficar desorientado; então não faça muitas mudanças na casa ou em sua rotina normal. Tente não deixá-lo só por longos períodos, especialmente em lugares estranhos.

>Visitas regulares ao veterinário
Vacinas são tão importantes para cães idosos quanto para jovens. Cães mais idosos podem ser menos resistentes à doenças e podem não conseguir superar infecções tão facilmente. Isso pode dar a seu veterinário a oportunidade de examinar o animal regularmente (podendo recomendar check-ups mais freqüentes para alguns cães) e acessar o estado de saúde dos órgãos importantes, como a pele, coração, rins e fí­gado. O veterinário também checará se há algum crescimento anormal e analisará a condição da boca de seu cão.

Alguns problemas, como os renais, podem ser detectados cedo (antes dos sinais clínicos aparecerem) através de um exame de sangue. Amostras de urina também podem providenciar informações importantes sobre a saúde do cão, então vale à pena levar uma amostra de urina ao veterinário quando for a hora da vacinação de seu cão. Use somente recipientes limpos e secos para coletar e transportar a amostra de urina. Leve a amostra em uma jarra limpa, com tampa. Pode ser que seu veterinário forneça uma recipiente para coleta.

Esta também é uma boa hora para checar o peso de seu cão – perguntar a seu veterinário se está dentro do peso. O veterinário poderá informar os programas de alimentação corretos para seu cão. Enquanto seu cão envelhece e fica mais lento, ele necessita de menos calorias.

Algumas condições, como problemas de rim e de coração, podem apresentar melhora apenas com modificação de dieta. O veterinário poderá fornecer dietas especialmente preparadas ou poderá lhe explicar como preparar um a dieta especial em casa.

Peça sempre conselhos ao veterinário caso seu cão não esteja conseguindo urinar ou defecar corretamente. Muitas vezes isso indica um problema médico que pode ser facilmente resolvido. Ocasionalmente, acidentes ocorrem quando um cão não consegue ou não está com vontade de andar até uma porta. Outras vezes o controle destas funções corpóreas fica incontrolável. Nestes casos, tratamento pode ser dificultado e nem sempre será um sucesso.

>Outras considerações
Cães geralmente ficam mais lentos com o passar do tempo. Pode ser que ao invés de correr à sua frente, como fazia quando era mais jovem, agora ele contente-se em andar tranqüilamente ao seu lado.
(Para maiores informações sobre exercí­cios para cães mais velhos veja nossa página de exercí­cios).

Mantenha a pelagem de seu cão bem cuidada – isso ajuda a fazer com que se sinta mais confortável e saudável. Escovação melhora a circulação na pele e mantém o pelo brilhante e livre de nós. Para mais informações sobre como dar banhos e cuidar do pelo de seu cão veja a seção “Cuidando da Pelagem”. Cuidar da pelagem de seu cão regularmente quer dizer que você também pode ficar de olho em coisas anormais e em perda de pelo, feridas, irritação e evidência de pulgas ou parasitas. Você pode ver também se ele está como novos calombos ou batidas. Verrugas e tumores gordurosos benignos (lipomas) são comuns em cães idosos. Eles não devem causar problemas, a não ser que estejam em uma local que possa causar danos a outras estruturas (na pálpebra, por exemplo) ou onde sejam desconfortáveis, facilmente traumatizados. Seu veterinário pode analisar qualquer inchaço incomum “especialmente quando estiver crescendo rapidamente. O veterinário pode acalmá-lo e indicar o melhor tratamento. Caso seja necessária uma cirurgia, é melhor que seja feita no iní­cio.

Cheque as unhas de seu cão regularmente, elas podem ficar longas se ele estiver fazendo pouco exercí­cio. Isso é especialmente importante caso ele ande mais em pisos macios que não desgastam as unhas. Preste atenção especial aos esporões; às vezes eles crescem em curva e machucam a almofada. Você mesmo pode cortar as unhas, mas se não conhecer o processo, peça conselhos ao veterinário ou a um profissional do ramo.

Aproveite esta oportunidade para examinar a boca de seu cão, checar suas gengivas e dentes. Depósitos de tártaro marrom nos dentes causam mau hálito, doenças na gengiva e infecções. Caso permaneçam por tempo demais, podem fazer os dentes cair. Seu veterinário pode tratar os dentes e remover o tártaro e dentes soltos. Isso às vezes requer anestesia geral. É melhor prevenir ou minimizar a ocorrência de doenças dando regularmente a seu cão comidas duras (como biscoitos) pela vida toda. Você também pode escovar os dentes regularmente usando escova e pasta de dentes especial para cães.

>Chegando ao fim
Embora a decisão de trazer outro cão para a casa deva ser cuidadosamente pensada, muitos proprietários acham que um filhote pode dar a um cão idoso uma sobrevida. Embora sinta que jamais poderá substituir um cão idoso, um filhote pode ajudar quando da separação de seu velho amigo.

Certamente uma das decisões mais difí­ceis que um proprietário de cachorro tem a tomar é colocar um fim à vida de seu cão. Com sorte o fim virá em paz, em casa, durante o sono, mas para muitos cães é diferente.

Para cães que estão levando uma qualidade de vida ruim, sofrendo de doenças terminais ou que estão sofrendo dores constantes, é justo oferecer um fim rápido e indolor. Você deve discutir isso seriamente com o veterinário para que ambos concordem que eutanásia é o melhor fim para o cão. Deixe com que seu veterinário saiba o que pensa para não haver um desentendimento. No caso de cães, eutanásia é feita através de uma injeção indolor que faz efeito em poucos segundos.

A perda de um companheiro nunca é fácil e é difí­cil aceitar que seu cão não irá durar para sempre. Você pode fazer o máximo, com paciência e carinho, para que os últimos anos de seu cão sejam o mais confortável e divertido possível.

Fonte – Pedigree

Conhecendo o Bulldog – por Gilberto Pires Medeiros.

Foto - Gilberto Medeiros

Foto – Gilberto Pires Medeiros

Com que freqüência o Bulldog deve tomar banho?

Intervalos de 20 a 30 dias são suficientes. Banhos freqüentes não são indicados, pois retiram a oleosidade da pele, importante à sua proteção.

É necessário passear todos os dias com o Bulldog?

Sim, em especial quando morar em apartamento aconselha-se passeios diários, os quais, justamente por ser o Bulldog um cão sedentário, irão proporcionar-lhe melhor qualidade e maior expectativa de vida.

O Bulldog adapta-se com outros cães?

Sim, é de convivência pacífica. Eventuais desentendimentos são normais e dizem respeito tão-somente à organização hierárquica da matilha.

O Bulldog apresenta muitos problemas de saúde?

Assim como todas as raças, o Bulldog possui predisposição para algumas doenças. Estas, na maioria das vezes, são de origem genética. Por isso a importância de, ao adquirir o seu cão, procurar conhecer previamente o criador e seu trabalho. Criador sério e responsável não mantém em seu plantel cães com enfermidades transmissíveis à sua prole. Ainda, está sempre disponível a auxiliar no que lhe for possível, bem como a exibir sua criação.

O Bulldog é indicado para conviver com crianças?

Sim. É um cão de companhia, muito dócil. Gosta de admirar as crianças e de cuidá-las. Ainda assim, é aconselhável que as brincadeiras entre eles sejam monitoradas por um adulto, em especial quando o cão ainda for filhote e a criança ainda não tiver capacidade de compreender as limitações necessárias para uma saudável e tranqüila convivência.

Foto - Gilberto Medeiros

Foto – Gilberto Pires Medeiros

O Bulldog é um cão que se adapta em apartamento?

Sim, justamente por ser um cão de baixa atividade física e por latir muito pouco.

O Bulldog é um cão “roedor”?

Todo filhote tem necessidade de roer quando estiver trocando a dentição. É uma fase que pode ser superada sem stress se o dono dela já estiver ciente, preparando-se para auxiliar o filhote com os tantos meios disponíveis.

O Bulldog perde muito pêlo?

Como todo cão de pêlo curto, o Bulldog perde pêlo. Nas mudanças de estação a queda intensifica-se por um período. Convém lembrar que a escovação duas vezes por semana retira os pêlos mortos, diminuindo a quantidade no ambiente e contribuindo para a saúde da pelagem.

O Bulldog tem facilidade para aprender?

Sim, além de ter facilidade, é muito inteligente para apreender as lições. Aconselha-se a ensiná-lo com paciência e carinho, pois é inteligente o suficiente para não fazer aquilo que não quer. Ou seja, não é uma raça subserviente.

O Bulldog tolera ficar sozinho por períodos prolongados?

Não é aconselhável deixá-lo sozinho por períodos prolongados. O Bulldog, apesar de ser independente, também valoriza muito a companhia.  A solidão pode causar-lhe problemas de toda a ordem, inclusive de saúde.

Raquel Didonet

Raquel Didonet

Quais os cuidados indispensáveis a um Bulldog?

O principal cuidado que se deve ter é evitar a sua exposição ao calor excessivo. Por ser braquicefálico, sua respiração é sobrecarregada em dias muito quentes. No verão, sombra, água fresca, ventilador e ar condicionado são as suas opções preferidas. Os passeios, nesta época do ano, devem ser feitos nas horas mais frescas do dia ou à noite.

Qual a expectativa de vida do Bulldog?

As baixas expectativas de vida, de oito a dez anos mais ou menos, devem-se principalmente ao fato de ser um cão glutão e com predisposição ao sedentarismo. Porém, a expectativa de vida pode aumentar quando a alimentação correta, o exercício físico compatível e a interação com seu dono fizerem parte de sua rotina.

Qual é a alimentação indicada ao Bulldog?

O Bulldog é um cão insaciável e, portanto, deve-se cuidar da tendência à obesidade. Dar-lhe uma boa ração, do tipo Premium ou Super Premium, na medida indicada para a sua idade e peso, é o suficiente.

As respostas do criador são baseadas no seu conhecimento e experiência com a raça.

Fonte – wwwreservadorei.com.br

Gilberto Pires Medeiros Filho - Foto - Bibbo Camargo

Gilberto Pires Medeiros Filho ( Canil Reserva do Rei ) – Foto Bibbo Camargo

Bulldog Club lança calendário 2015.

_DSC0929

O nosso parceiro Bulldog Club selecionou 13 Bulldogs para estampar o calendário 2015, onde a ideia era colocar a foto do cão em seu respectivos mês de aniversário. Foram mais de 120 inscritos, e muitas fotos lindas mas infelizmente o ano só tem 12 meses.

Com o intuito de repassar uma porcentagem das vendas a Ongs de proteção e cuidado animal o calendário foi muito bem visto pelos apaixonados pelo Bulldog Inglês, as Ongs que receberam essa porcentagem foram a Loucos por Bicho e Oba! Organização bem animal, clique e conheça as instituições.

A primeira edição com 200 unidades foi uma febre e por esse motivo a Bulldog Club esta lançando a segunda edição do calendário, serão selecionados mais 13 Bulldogs, se tiver interesse em participar entre em contato aqui mesmo no email bullblog@bullblogingles.com, serão aceitos fotos acima de 1 mega.

Agradecimento aos cães selecionados da primeira edição.

Marcela reis – Tião
Luana Poli – Tofu
Camila e Diether – Amadeu
Eduardo Camargo – Polayna
Cibelle Borilo – Godiva
MIchelli Gugê – Mixirica
Eneida – Don Vito
Vanessa Jackisch – Amadeo
Luciane Lima – Olivia
Maristela Hardt – Gladstone
Sabrina Mattozo – Toreto
Adri Kotoman – Britney
Talita Xavier – Dina

E aos patrocinadores que anunciaram sua logomarca na base do calendário.

Vet Society – www.vetsociety.com.br

Designer – Bruna Capistrano

DogWash – facebook/dogwash

Talita Xavier Fotografia – www.talitaxavierfotografia.com.br

BaconDogs – facebook/bacondogs

Promex Plásticos – facebook/promexplasticos

Fique por dentro dos próximos selecionados para a segunda edição na fanpage da Bulldog Club, clique aqui!

Bullbeijos!

1970407_620411208080682_753243856355166878_n

10358710_620411151414021_2140163043502871736_n

 

9775_620411121414024_999523936798004249_n

994986_582920118427932_1651290024_n

1509119_620411118080691_5409309821571994508_n

1174528_620410964747373_645611969155671842_n 10171620_620411051414031_5244322575811440313_n 10264439_620411001414036_5672001934948929877_n 10354593_620411071414029_179781059337994428_n 10429221_620411081414028_4135321480487336925_n 10441953_620410721414064_9102188931256990745_n 10696360_620411078080695_2643294838871389845_n 10801871_620410994747370_3578125940699459669_n

1959321_620411074747362_6713678859676619957_n

Eduarda Volpatto - Colaboradora Bullblog e Bulldog Club

Eduarda Volpatto – Colaboradora Bullblog e Bulldog Club

 

A paciência é uma virtude de poucos.

10388630_10203876468610705_8242043485430182397_n

 

Mas não se preocupe, é tudo brincadeira =)

10470892_10203876468250696_3380220669015590334_n

Via – Vatuzy Junior Monteiro

Donos de cães e gatos substituem ração por dieta natural.

Troy & Truff - Proprietário Bruno Marins

Troy & Truff – Proprietário Bruno Marins

As três formas são balanceadas e baseadas em dietas postuladas por médicos-veterinários autores de livros consagrados – as referências estão informadas no material de cada modelo de dieta. Portanto, se você seguir as orientações à risca, nada faltará ao seu peludo. Os requerimentos nutricionais dele serão plenamente atendidos com uma dieta fresca, variada e natural!

Mas diante dessas opções – com ossos, sem ossos, crua, cozida – qual modalidade escolher? Falemos um pouquinho sobre vantagens e desvantagens de cada uma.

Alimentação Natural crua com ossos.

O objetivo da AN crua com ossos é simular a composição de uma presa (lebre, ave, pequeno ruminante etc) no contexto urbano. Para isso entram na dieta ossos crus (o esqueleto da presa), carnes cruas (músculo), vísceras cruas (miúdos, órgãos) e alguns complementos que representam partes do corpo que não conseguimos oferecer.

Vantagens

  • É a mais natural das 3 ANs. Isso porque de todas as dietas abordadas no nosso site, é a que mais se assemelha à dieta que um cão selvagem teria na natureza.
  • Combate o tártaro. A presença de ossos carnudos crus estimula a mastigação, promovendo a remoção mecânica do tártaro.
  • Estímulo mental e fortalecimento muscular. A mastigação de ossos carnudos crus proporciona enriquecimento mental e fortalecimento de músculos faciais.
  • Nutrientes dos ossos. A presença de ossos carnudos crus enriquece a dieta com colágeno, cartilagem, condroitina (que ajuda a proteger as articulações), tendões, ligamentos, além de proteína e um monte de minerais, dentre eles cálcio na medida certa.
  • Dispensa totalmente a adição de cálcio. A generosa proporção de ossos da dieta fornece todo o cálcio que o peludo precisa, exatamente da forma como ele receberia esse mineral se vivesse na natureza.
  • Mais econômica. A AN crua com ossos costuma ser um pouco mais barata que as demais dietas por conter uma boa proporção de ossos carnudos crus de frango, peças consideravelmente mais em conta que carne desossada.
  • Mais prática. Porque a dieta é 100% crua ou predominantemente crua. Basta montar as porções respeitando as proporções que ensinamos, congelar (para armazenar), descongelar e servir! Nada de cozinhar tudo, sujar panelas e depois ter que lavar um montão de louças.
  • Combate a coprofagia: para cães que comem suas próprias fezes, não há dieta mais indicada que a AN crua com ossos. O cocô produzido por essa dieta é o menos “atraente” dentre as três ANs, por ser extremamente sequinho e de odor super discreto.

Desvantagens

  • Pode requerer moedor de ossos. Você precisará triturar os ossos se seu cão não puder mastigar ossos carnudos crus devido à falta de dentes ou dificuldade de deglutição. Para casos assim vale a pena consultar o açougueiro e ver se ele pode moer os ossos – muitos topam! Em caso negativo, a recomendação é fazer como os adeptos de AN crua com ossos nos Estados Unidos, Oceania e Canadá: investir em um potente moedor de carnes. Como esse ou esse que infelizmente não são fáceis de encontrar no Brasil.
  • Encontrar ossos carnudos crus. Você pode oferecer com frequência peças de frango, como pescoço, cabeça e dorso de frango, que são mais baratas e fáceis de encontrar. Mas mesmo essas peças podem não ser fáceis de achar dependendo da região onde você mora. A oferta de pescoço é infrequente no Sul do país, por exemplo. O frango pode ser substituído ou alternado com pato, coelho, codorna, rã, algumas partes do peru e de outras espécies que você verá em detalhes no parágrafo sobre ossos carnudos crus.
  • Requer freezer ou congelador. Carnes, vísceras, ossos e peixes crus precisam passar alguns dias congelados antes de serem servidos ao seu peludo – detalhes desse procedimento estão informados no material das dietas cruas. Congelar as peças inativa parasitos como cistos de tênias e protozoários (toxoplasma). Sem esse cuidado, não é seguro oferecer dieta crua ao pet.

Alimentação Natural crua sem ossos.

Vantagens

  • Bem aceita por cães que não gostam ou não podem mastigar ossos. 
  • Você não precisa ficar procurando fornecedores de ossos carnudos crus. Localizar um fornecedor confiável de ossos carnudos crus pode não ser fácil dependendo de onde você mora. Esse modelo de dieta dispensa esse ingrediente, facilitando a vida.
  • Mais prática. Porque é 100% crua ou predominantemente crua. Basta montar as porções respeitando as proporções que ensinamos, congelar (para armazenar), descongelar e servir! Nada de cozinhar tudo, sujar panelas e depois ter que lavar um montão de louças.
  • Permite variar mais. Uma grande parte dos adeptos da AN crua com ossos acaba oferecendo apenas ossos carnudos crus de frango por essas peças serem mais baratas e fáceis de encontrar que codorna, pato, rã e coelho. Como a AN crua sem ossos não tem ossos carnudos crus, é possível variar mais as espécies de carnes desossadas oferecidas.

Desvantagens

  • Requer adição de cálcio. Não entram ossos nessa dieta; logo, você precisa suplementar cálcio. Esse mineral é suprido com sucesso adicionando a quantidade certa de farinha de cascas de ovos à dieta ou aviando cálcio em farmácia de manipulação e incluindo o conteúdo de uma cápsula à mistura que será servida, diariamente.
  • Requer freezer ou congelador. 
  • Não combate o tártaro. Uma dieta sem ossos não incentiva o pet a mastigar (o que reduz a formação de tártaro). Contorne isso oferecendo ossos naturais grandes ocasionalmente para ajudar na saúde oral e/ou invista em uma rotina de escovação dos dentes.

Alimentação Natural cozida

Trata-se de uma dieta com ótimos níveis de proteína animal de excelente qualidade, gorduras saudáveis na medida certa, carboidratos não inflamatórios de baixo índice glicêmico e enriquecida com legumes, verduras e hortaliças. AN cozida é hoje o modelo de dieta mais procurado pelos meus clientes, sendo recomendada por veterinários experientes em nutrição pet há décadas.

Bruce e Amy - Proprietária Andreia Bichara

Bruce e Amy – Proprietária Andreia Bichara

Vantagens

  • Apela a paladares exigentes. Tem peludo que só aceita carnes, vísceras e legumes cozidos. É justificável. Comidinha cozida é mais saborosa e cheirosa!
  • Alguns cães não toleram bem ossos e carnes cruas. Cachorros com estômago ou intestino mais sensível tendem a se dar melhor com uma dieta sem ossos (não abrasiva) e cozida.
  • Algumas pessoas não se sentem confortáveis oferecendo carnes cruas. Se esse é o seu caso, não deixe esse detalhe te impedir de estender ao seu peludo os benefícios fantásticos dos alimentos naturais. Cozinhe tudo! Seu cão receberá uma dieta anos-luz à frente da maioria das rações comerciais.
  • Não requer congelamento prévio em freezer. O cozimento destrói parasitos porventura presentes nas peças cruas, como cistos de tênias e o protozoário toxoplasma. É cozinhar e servir!

Desvantagens

  • Mais trabalhosa. Nesse modelo de dieta você cozinha tudo. Isso aumenta o trabalho que a dieta dá. Mas não é nenhum bicho de sete cabeças, como você verá no material da dieta cozida. Questão de se organizar!
  • Carnes e vísceras cozidas rendem menos. O cozimento desidrata carnes, vísceras e peixes, rendendo porções menores. Como a pesagem dos alimentos é feita depois do cozimento, você precisará comprar uma quantidade maior de carnes, vísceras e peixes do que se fosse oferecer esses mesmos itens crus. Com isso a dieta acaba saindo mais cara.
  • Requer adição de cálcio. 
  • Carnes muito cozidas são consideravelmente menos nutritivas. Carnes cruas ou mal passadas fornecem aminoácidos importantes como a carnitina e a taurina, benéficos ao coração. O cozimento excessivo destrói enzimas e grande parte da taurina e prejudica outros elementos, como as vitaminas. Para seu peludo extrair o máximo de nutrientes da dieta cozida, cozinhe levemente carnes, vísceras e peixes. Somente até mudar de cor, por exemplo.
Foto Adriana Fabrini

Foto Adriana Fabrini

Posso variar entre os tipos de dieta ou devo escolher apenas uma?

É possível, sim. Eu mesma vario entre as três dependendo dos alimentos que tenho em casa. Meus cães são adeptos de Alimentação Natural crua com ossos desde 2008, mas num aperto preparo dieta cozida ou vou de AN crua sem ossos. Eles aceitam numa boa essas mudanças bruscas, até curtem. Mas alguns cães de paladar muito exigente ou de estômago mais sensível podem não aceitar ou tolerar bem dietas com ossos ou com carnes cruas. E certos peludos bem habituados à AN crua com ossos podem começar a recusar a dieta se apresentados ao modelo cozido, que é mais saboroso.

Minha sugestão: levando em conta o jeitão do seu peludo e os prós e contras de cada dieta expostos acima comece pela AN que você acha que tem mais chances de sucesso. Há casos em que o cão nos obriga a mudar o modelo de dieta simplesmente porque deixa de aceitar a alimentação que vinha recebendo até então. Observei isso com alguns pacientes que pararam de querer a AN crua com ossos e o tutor não teve outra alternativa a não ser passar à dieta sem ossos ou à cozida.

AN crua com ossos para cães de focinho achatado.

Lola - Proprietário Roberto

Lola – Proprietário Roberto

A AN crua com ossos é adequada a todo e qualquer cão saudável. Mas você verá, nos segmentos sobre ossos carnudos crus, que nem todo cão é capaz de mastigar e deglutir com segurança todos os ossos. Várias peças que exigem mastigação são contraindicadas a braquicefálicos, a turma canina do nariz achatado.

 Raças como Shih Tzu, Bulldogs Inglês e Francês, Pug e Pequinês são propensas  a engasgos por apresentarem dificuldades na mastigação, deglutição e até respiração.    Infelizmente, conheço casos de buldogues que engasgaram feio com brinquedos, água,  grãos de ração e, sim, até com ossos naturais.

 Uma solução definitiva para o risco de engasgo com os ossos é moê-los em casa ou  comprá-los já moídos. É o que tenho recomendado a quem tem cães das raças acima ou  que já engasgaram por besteira. Ossos carnudos moídos não ajudam a limpar os dentes,  mas para isso existem alternativas, como a escovação frequente dos dentes ou roerossos  naturais recreativos. A trituração garante a segurança da AN crua com ossos e não altera o  valor nutricional das peças – que é o que realmente importa!

O que não é Alimentação Natural Cozida.

Oferecer AN cozida definitivamente não é dar restos da nossa comida. E não é dar apenas frango, arroz branco e cenoura – esse tipo de “dieta” conduz a problemas de saúde por deficiências de nutrientes importantes, como vitaminas, minerais e ácidos graxos. Também não é preparar aquela panelada-da-vovó que tem tudo e mais um pouco, sem medida nem proporção.

Observação: pets portadores de quadros crônicos podem requerer dietas especiais, com restrições e adições que auxiliam no controle do problema. Na dúvida, consulte sempre o veterinário do seu amigão. Se depois de um check-up completo o veterinário achar que seu peludo está apto a receber uma dieta adequada a cães saudáveis, vá em frente. 

Leia mais no site www.cachorroverde.com.br

 Bullbeijos!

%d blogueiros gostam disto: